A ansiedade e a tricotilomania é um problema de saúde mental comum que afeta muitas pessoas em todo o mundo

 

A ansiedade pode ser descrita como uma sensação de inquietação, nervosismo e preocupação constante que pode afetar negativamente a nossa vida.

 

A tricotilomania, por outro lado, é um distúrbio de controlo do impulso que faz com que as pessoas arranquem seus próprios cabelos, pestanas ou sobrancelhas de forma compulsiva.

 

Embora a tricotilomania seja um problema diferente da ansiedade, muitas pessoas que sofrem desta condição também têm transtornos de ansiedade.

 
tricotilomania
tricotilomania

A ansiedade é uma reação natural do corpo ao stress, mas quando se torna excessiva, pode levar a problemas de saúde mental. Pessoas com ansiedade geralmente experienciam sintomas como dificuldade para dormir, irritabilidade, tensão muscular, dores de cabeça, náusea e sudorese excessiva.

 

A ansiedade também pode fazer com que as pessoas evitem situações que as deixem ansiosas, o que pode interferir na vida social, no trabalho e na escola.

 

A tricotilomania, por outro lado, é uma condição que faz com que as pessoas arranquem o cabelo do couro cabeludo, pestanas ou sobrancelhas de forma compulsiva. É um distúrbio de controlo do impulso que pode ser desencadeado por stress, tédio ou ansiedade. É muitas vezes acompanhada de sentimentos de vergonha, culpa e isolamento social.

 

Embora a tricotilomania não seja uma condição comum, regista-se em maior número nas mulheres que nos homens, pode começar na infância ou na adolescência e é geralmente uma condição crónica.

 

Embora não haja cura para a tricotilomania, existem tratamentos disponíveis que podem ajudar a controlar os sintomas.

 

Uma das formas de tratamento mais eficazes para a ansiedade e a tricotilomania é a terapia cognitivo-comportamental (TCC). 

 

A TCC é uma forma de psicoterapia que nos ajuda a mudar padrões de pensamento e comportamento e a identificar e modificar os pensamentos negativos que nos deixam ansioso(a)s ou levam à compulsão de arrancar cabelos. 

A TCC também pode ajudar a desenvolver habilidades para lidar com situações stressantes.

 

Além da TCC, existem outros tratamento que podem ajudar a controlar a ansiedade e a tricotilomania. E os medicamentos, como os antidepressivos e ansiolíticos, podem ser eficazes como coadjuvantes no tratamento da ansiedade e da tricotilomania. 

 

É importante lembrar que estes medicamentos devem ser prescritos por um profissional de saúde mental e monitorizados de perto. 

 

Outra forma de tratamento que pode ajudar a controlar a ansiedade e a tricotilomania é a terapia de exposição. A terapia de exposição é uma forma de TCC que nos expõe gradualmente a situações que potencialmente nos deixam ansioso(a)s ou que podem, neste caso, desencadear a compulsão de arrancar o cabelo. Essa exposição é realizada sob supervisão de um profissional de saúde mental e pode ajudar a lidar com as reações emocionais às situações e a controlar os impulsos.

 

Existem também algumas técnicas que podemos fazer em casa para ajudar a controlar a ansiedade e a tricotilomania.

 

Algumas das técnicas recomendadas são: a prática da meditação e respiração profunda, que podem ajudar a acalmar a mente e o corpo e o exercício físico regular também ajuda a reduzir os níveis de stress e ansiedade.

 

Uma outra técnica que pode ajudar é a distração, que envolve encontrar outras atividades para fazer quando sentir o impulso de arrancar o cabelo. Estas atividades podem ser coisas simples, como jogar um jogo no telemóvel, ler um livro ou fazer uma caminhada. O objetivo é encontrar uma atividade que o(a)ajude a relaxar e a acalmar a mente e assim evitar a compulsão de arrancar o cabelo.

 

Causas e Fatores de Risco

 

A tricotilomania pode ser influenciada por uma combinação de fatores genéticos, biológicos e ambientais. Predisposição genética pode desempenhar um papel relevante, pois quando temos histórico familiar de transtornos de controlo de impulsos temos uma maior probabilidade de desenvolver esta condição. 

 

Traumas emocionais, como abuso ou eventos stressantes, podem também desencadear ou contribuir para o surgimento da tricotilomania. Fatores neurobiológicos, como desequilíbrios químicos no cérebro, podem estar também envolvidos.

 

Os sinais de alerta para ansiedade e tricotilomania incluem mudanças comportamentais, como o aumento da frequência de arrancar cabelos, manifestações físicas de ansiedade e alterações no padrão de sono.

O diagnóstico precoce é fundamental para iniciar o tratamento eficaz.

 

Se suspeitar destes distúrbios (em si ou noutra pessoa),  é aconselhável procurar a orientação de um profissional de saúde mental que possa conduzir uma avaliação adequada.

 

 

Segundo o Instituto de Apoio e Desenvolvimento (ITAD):

 

“Os fatores de risco que aumentam a probabilidade de ter tricotilomania são:

 

• Histórico familiar


• Ter entre 11 e 13 anos


• Sentir emoções negativas


• Ter transtornos como depressão, ansiedade e transtorno obsessivo compulsivo.

 

Os pais devem procurar por ajuda caso os seus filhos tenham impulsos de arrancar fios de cabelo para encontrar alívio para o stress ou ansiedade, ou se verifica que estão a ficar carecas em algumas regiões, como no couro cabeludo, sobrancelhas e pestanas.

 

Complicações

 

• Stress emocional, já que estas crianças/ adolescentes costumam sentir-se envergonhadas, embaraçadas e mesmo humilhadas por não conseguirem controlar este ato, podem desenvolver baixa autoestima, depressão e ansiedade;

 

• Problemas sociais ou escolares, pois a perda de cabelo pode levar a pessoa a evitar certas situações;

 

• Problemas de pele e cabelo, puxar os fios constantemente pode causar desgastes e até mesmo infeções, além de afetar o crescimento do cabelo;

 

• Bolas de cabelo no sistema digestivo, causada pelo hábito que algumas dessas pessoas tem de comer o cabelo que arrancam. Nestes casos, após um certo período de tempo o acúmulação dos fios de cabelo pode causar perda de peso, vómitos, obstrução intestinal ou mesmo a morte.”

Conclusão

 

A ansiedade e a tricotilomania são problemas de saúde mental que podem ser tratados com sucesso através da terapia cognitivo-comportamental, medicação e terapia de exposição. 

 

Além disso, é possível adotar algumas técnicas simples em casa, como a distração, meditação e exercício físico regular para ajudar a controlar os sintomas.

 

É importante lembrar que não há vergonha em procurar ajuda e que o tratamento adequado pode fazer uma grande diferença na vida de quem sofrem com ansiedade e tricotilomania. Apesar de muitas vezes ainda ser considerado um assunto tabu, saiba que muitos famosos sofrem ou sofreram em alguma altura das suas vidas desta condição: Meghan Fox, Justin Timberlake, Colin Farrell, Charlize Theron e Sara Sampaio são apenas alguns exemplos. 

 

Partilhe a sua história connosco e ajude-nos a construir a comunidade #aansiedadenaomedefine. 

 

Perguntas Frequentes 

 

Qual a relação entre ansiedade e tricotilomania?

 

A ansiedade e a tricotilomania têm uma relação complexa, pois muitas pessoas que sofrem de tricotilomania também experienciam transtornos de ansiedade. A tricotilomania pode ser desencadeada por situações stressantes, tédio ou ansiedade, e ambos os problemas afetam a saúde mental.

 

Quais são os sintomas comuns de ansiedade?

 

Os sintomas comuns de ansiedade incluem inquietação, nervosismo, preocupação constante, dificuldade para dormir, irritabilidade, tensão muscular, dores de cabeça, náusea e sudorese excessiva. A ansiedade também pode levar à evitação de situações que causam ansiedade, impactando a vida social, no trabalho e na escola.

 

Como a tricotilomania se manifesta e quais são seus efeitos?

 

A tricotilomania é um distúrbio no controlo do impulso no qual as pessoas arrancam compulsivamente cabelos do couro cabeludo, pestanas ou sobrancelhas. Pode ser desencadeada por stress, tédio ou ansiedade, frequentemente acompanhada de sentimentos de vergonha, culpa e isolamento social. É uma condição crónica que pode afetar a qualidade de vida.

 

Quais são as opções de tratamento disponíveis para ansiedade e tricotilomania?

 

Dentro das opções de tratamento disponíveis, a terapia cognitivo-comportamental (TCC) é destacada como eficaz para modificar padrões de pensamento e comportamento. Os medicamentos tais antidepressivos e/ou ansiolíticos relevam-se bastante eficazes nestes casos e podem ser prescritos por profissionais de saúde mental. A terapia de exposição, uma forma específica de TCC, também pode ser benéfica.

 

Existem técnicas que as pessoas podem adotar em casa para controlar ansiedade e tricotilomania?

 

Sim, algumas técnicas simples podem ser praticadas em casa, como a meditação, respiração profunda e exercícios físicos regulares, que ajudam a reduzir os níveis de stress e ansiedade. A distração é outra técnica eficaz, envolvendo atividades alternativas quando surge o impulso de arrancar cabelo, como jogar um jogo, ler um livro ou fazer uma caminhada. Encontrar atividades relaxantes pode ajudar a evitar a compulsão.