A ansiedade é uma resposta natural do corpo a situações de stress ou perigo iminente. Mas sabia que para além dos sintomas emocionais, como preocupação excessiva e medo irracional, a ansiedade também se pode manifestar fisicamente?

 

Muitas pessoas não associam estes sintomas como consequência da ansiedade e têm a tendência de desvalorizar ou tratá-los separadamente, levando a desvalorizar o problema – a ansiedade.

 

Neste artigo, abordaremos os sintomas físicos mais comuns da ansiedade e forneceremos algumas estratégias úteis para lidar com eles.

 

Sintomas físicos da ansiedade
Sintomas físicos da ansiedade

 

O que são sintomas físicos da ansiedade?

 

Quando estamos ansiosos, o corpo liberta hormonas de estresse, como o cortisol, que podem desencadear diversas respostas físicas. Essas reações podem variar de pessoa para pessoa, mas existem vários sintomas físicos comuns associados à ansiedade.

 

Os sintomas físicos mais frequentes da ansiedade incluem:

 

  • Palpitações: batimentos cardíacos acelerados ou irregulares, muitas vezes  acompanhados por uma sensação de aperto no peito;

 

  • Respiração acelerada: a ansiedade pode fazer com que a respiração se torne rápida e superficial, levando a uma sensação de falta de ar ou dificuldade em respirar profundamente;

 

  • Tremores: tremores incontroláveis nas mãos ou em outras partes do corpo podem ser sintomas físicos da ansiedade, resultado da libertação de adrenalina no organismo;

 

  • Tensão muscular: A ansiedade pode causar tensão muscular, resultando em dores de cabeça (em casos mais graves, celafeias e enxaquecas), dores nas costas e no pescoço, além de sensação de rigidez muscular;

 

  • Problemas gastrointestinais: muitas pessoas ansiosas relatam sintomas gastrointestinais, como dor de estômago, náuseas, diarreia ou constipação. Além disso, a ansiedade pode desencadear intolerâncias alimentares, levando a desconfortos digestivos após a ingestão de certos alimentos.

 

  • Suores e ondas de calor: a ansiedade pode desencadear suores excessivos e ondas de calor, muitas vezes sem estarmos à espera ou depois do episódio da ansieade já ter passado (descompressão),  tornando-se desconfortável e embaraçoso para algumas pessoas;

 

  • Insónia: dificuldade em adormecer ou manter o sono são comuns em pessoas ansiosas, pois a mente agitada e preocupações constantes podem interferir na qualidade do sono;

 

  • Alterações de apetite: A ansiedade pode levar a alterações no apetite, resultando em perda ou ganho de peso. Algumas pessoas podem perder o apetite, enquanto outras podem recorrer à comida como forma de conforto;

 

  • Comportamentos obsessivos: para além dos sintomas gastrointestinais mencionados anteriormente, a ansiedade também pode contribuir para o desenvolvimento de comportamentos  relacionados à alimentação, tal como a compulsão alimentar, ou outros outros, como a tricotilomania (arrancar cabelos);

 

  • Pensamentos obsessivos: para além dos comportamentos compulsivos, a ansiedade pode também  desencadear pensamentos obsessivos e intrusivos, que podem interferir na capacidade de concentração e causar desconforto físico – Normalmente os comportamentos obsessivos vêm como resposta aos pensamentos obsessivos, pois ao colocar a atenção completa num comportamente, damos “descanso” e “paramos” de pensar;

 

  • Ver perigo em tudo: a ansiedade pode levar à hipervigilância, fazendo com que a pessoa esteja constantemente alerta e perceba perigo em situações quotidianas. Este sintoma faz com que o cérebro se sinta ainda mais sobrecarregado, e pode resultar em perdas de memória;

 

  • Medo: Muitas pessoas ansiosas têm um medo de “estimação” avassalador, como por exemplo, de falar em público, o que pode desencadear sintomas físicos, como tremores, suores e palpitações. Isto porque a ansiedade pode levar ao desenvolvimento de medos irracionais e fobias, desencadeando sintomas físicos quando a pessoa é exposta às situações temidas.

 

  • Preocupações excessivas: a ansiedade é frequentemente acompanhada por preocupações constantes e excessivas, o que pode desencadear sintomas físicos, como tensão muscular e problemas digestivos já falados anteriormente;

 

  • Ficar sempre próximo de ataques de nervos: A ansiedade pode fazer com que a pessoa se sinta constantemente à beira de um ataque de nervos, com sintomas físicos, como tremores, palpitações, respiração acelerada até ao ponto de começar a achar que está a enlouquecer (não está!);

 

  • Inquietação constante: pessoas ansiosas frequentemente apresentam inquietação física, como tremer uma ou ambas as pernas quando está sentado ou a espera, andar de um lado para o outro ou não simplesmente não ficar no mesmo sítio;

 

  • Perfeccionismo: bem sabemos que a perfeição não existe, no entanto, muitas pessoas ansiosas têm uma busca obsessiva pela perfeição, o que pode – naturalmente – gera stress e tensão física em maior escala (comparativamente a uma pessoa que não sofre do transtorno);

 

  • Angústia: A angústia é outro sintoma físico da ansiedade, caracterizada por uma sensação de desconforto emocional e mental. Pode manifestar-se como uma sensação de aperto na garganta e no peito, dificuldade em respirar, choro frequente e uma sensação geral de mal-estar.

 

Como lidar com os sintomas físicos da ansiedade?

 

Embora os sintomas físicos da ansiedade possam ser perturbadores, existem várias estratégias eficazes para lidar com eles. deixamos-lhe aqui algumas sugestões:

 

  • Prática regular de técnicas de relaxamento: experimente técnicas de relaxamento, como respiração profunda, meditação, yoga ou tai chi. Estas práticas ajudam a acalmar a mente e relaxar o corpo, aliviando os sintomas físicos da ansiedade;

 

  • Exercício físico: O exercício regular é uma excelente maneira de reduzir a ansiedade e aliviar os sintomas físicos associados. Escolha uma atividade que goste e pratique regularmente para obter os benefícios tanto físicos como emocionais;

 

  • Alimentação saudável: uma alimentação equilibrada e saudável pode ajudar a reduzir os sintomas físicos da ansiedade. Evite alimentos processados, como a cafeína e o açúcar em excesso, e dê preferência a alimentos ricos em nutrientes, como frutas, vegetais e grãos integrais;

 

  • Evite o consumo excessivo de álcool e tabaco: O álcool e o tabaco podem piorar os sintomas da ansiedade, agravando assim os sintomas físicos;

 

  • Terapia cognitivo-comportamental (TCC): A TCC é uma abordagem terapêutica eficaz para tratar a ansiedade. Um especialista da área da saúde mental pode ajudar a identificar pensamentos negativos e padrões de comportamento que contribuem para a ansiedade, e ensinar técnicas para lidar com eles;

 

 

Conclusão

 

Os sintomas físicos da ansiedade podem variar de pessoa para pessoa, mas são uma resposta comum do corpo ao stress. É importante reconhecer esses sintomas e adotar estratégias eficazes para lidar com eles.

 

Praticar técnicas de relaxamento, exercício físico regular, alimentação saudável e procurar apoio são medidas importantes para aliviar os sintomas físicos da ansiedade.

 

Lembre-se de que cada pessoa é única, e encontrar a combinação certa de estratégias que funcione para si pode exigir alguma experimentação. Não hesite em procurar ajuda profissional se necessário, para que possa viver uma vida mais equilibrada e livre da ansiedade, junto da sua família e amigos.